Símbolos

O Brasão de Armas

O Brasão de Armas do Município é formado por um Escudo Ibérico em blau (azul), com três montanhas ao fundo cortadas por um rio que tem na margem direita uma árvore de Cabreúva, a qual cresce entre uma Cruz Pátea e uma Flor de Liz; tudo encimado pela abóbada celeste. O escudo dá sustentação a uma coroa de tijolos com oito torres, com portas abertas em sable (preto), tendo à sua direita um ramo de videira, com dois cachos, e à esquerda um morangueiro com três frutos; ambos tendo ao fundo quatro caules de cana-de-açúcar, e tem como base um Listel de Prata com o topônimo “Cabreúva” e a expressão “Sub-Lege-Libertas” entre os milésimos “1.830” e “1.859”; todos com caracteres em sable.

O ESCUDO IBÉRICO é o usado em Portugal à época do descobrimento do Brasil, e sua adoção evoca os primeiros colonizadores;

A COR AZUL do carro chefe do escudo, em segundo plano, representa a abóbada celeste que recobre o horizonte e dá suporte à Flor de Liz e à Cruz Pátea;

A ÁRVORE, plantada às margens do rio, rememora a circunstância de ter sido uma ponte, improvisada com o tronco de uma Cabreúva, a origem do nome da cidade;

O RIO, em cor azul refletida, serpenteando entre montanhas, vales e várzeas, representa a ligação do lendário Tietê ao Município;

As MONTANHAS recobertas de verde aludem à riqueza da flora e à exuberância da geografia local, simbolizando as serras Japi, Guaxatuba e Taguá;

A CRUZ PÁTEA patenteia a profunda fé cristã predominante no Município e rememora a Capela de São Benedito;

A FLOR DE LIZ é o símbolo que designa a Santíssima Padroeira do Município, Nossa Senhora da Piedade, e a igreja matriz construída sob sua invocação;

A COROA MURAL é o símbolo da emancipação política e suas cinco torres aparentes constituem as reservadas às cidades. As portas abertas salientam a hospitalidade do povo cabreuvano e os tijolos, em cor natural, são um reconhecimento à economia oleira, tradicional no Município;

A VIDEIRA, o MORANGUEIRO e a CANA-DE-AÇÚCAR salientam a fertilidade das terras de Cabreúva e simbolizam a importância da agricultura na formação econômica;

No LISTEL o topônimo “CABREÚVA” identifica o Município e os milésimos “1.830” e “1.859” registram, respectivamente, o ano em que aconteceu a elevação à Distrito de Paz e o ano da emancipação política.

HINO

É um arranjo do Maestro Benedito Mesquita Silveira e letra de Joaquim Rabello Cintra.

Cabreúva,

que entre verdes montanhas

se ergue tão amiga,

teu luar,de um branco prateado

os corações intriga,

és a vida,

e para os que te amam

és a felicidade;

terra de amor e amizade

quem deixa teu seio

só pode levar saudade

onde o sol poente

deixa vermelho um céu de anil

pra enfeitar um pedaço

de São Paulo e do Brasil;

Isto é Cabreúva

aonde eu vivi

meus dias mais felizes

e minhas mágoas esqueci.